quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Pontos Cantados de Preto Velho

Estes Canticos foram por mim extraidos da cultura popular
Pontos de Umbanda
Letras populares de dominio público.


Pontos de Saudação e Chamada de Preto Velho

Que preto é esse, oh Cambinda
Que chegou agora, oh Cambinda
É o Pai THOMÉ, oh Cambinda
Que veio de Angola.

Preto velho senta no toco
Faz o sinal da cruz
Pede proteção a Zambi
Para os filhos de Jesus
Cada conta do seu rosário
É um filho que ai está
Se não fosse o Preto Velho
Eu não sabia caminhar


Firma ponto minha gente
Preto velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem pra trabalhar
Saravá o Preto Velho
Saravá, saravá, saravá,
Ele chegou no terreiro
Ele vem nos ajudar


Preto Velho que coisa é essa
Que me deixa o corpo mole bis
É mironga de Terreiro
Preto Velho vai tirar
Vai fazer reza bem forte
Pra mandinga afastar
Preto Velho que coisa é essa
Que me deixa com o corpo mole bis
Parece que é coisa feita
Preto Velho vai tirar
Mas não fique assustado
Deste mal vou lhe livrar
E depois você vai embora
Vai pra casa descansar
E depois que passar o tempo
Volte aqui me visitar


Preto Velho tá quebrado
De tanto trabalhar
Preto Velho tá cansado
De tanto curimbar bis
Firma ponto, risca pemba
Que é longa a caminhada
Quem tem fé, tem tudo
Quem não tem fé, não tem nada bis


No tempo da escravidão
Preto Velho sempre trabalhou
Sentado na sua senzala
Batia tambor, saravá pai Xangô
Bate tambor
lá na Angola, bate tambor
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai joaquim...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai João ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai Jacó do Oriente ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Mãe Maria ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai Antônio do Congo ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Mãe Joana ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Vó Catarina
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Preta Velha ...
lá na Angola, bate tambor...
(+ assim sucessivamente vai se saudando
a todos os Pretos que estão no terreiro)


Meu pito tá apagado
Minha marafa acabou
Vou trabalhar pra suncê
Porque sou trabalhadô bis
Eu vou trabalhar
Suncê vai ganhar
Muito bongo, meu filho
E depois vem me pagar bis

Deixei meu cachimbo no toco
Mandei o moleque buscar
Na hora da derrubada
Meu cachimbo ficou lá

Zum, zum, bateu na porta
Saravá vou ver quem é
É o povo da aruanda
É a falange de Guiné


Na fazenda de Santa Cruz
Nego duro de se acordar
Não trabalha porque não quer
Tem cavalo pra arriar
Não vou plantar café de meia
Eu vou plantar canavial
Café de meia não dá lucro Sinhá
Canavial, marafo dá
Amarra o boi, Preto Velho
Na porteira do congá bis


É preto, é preto, oi Cambinda
Na terra de preto, oi Cambinda
Eu também sou preto, oi Cambinda
Na terra de preto, oi Cambinda
Preto Velho quando vem da Aruanda
Vem com Deus e a Virgem Maria
Saravá o povo de Aruanda
Saravá o povo da Bahia - bis


SE EU NÃO FOSSE FILHO DE PEMBA
SÃO CIPRIANO NÃO VINHA CÁ!
ARUÊ ARUÉ SÃO CIPRIANO MANDOU ME CHAMAR!
ARUÊ ARUÁ FILHO DE PEMBA NÃO PODE TOMBAR


E esse nego que veio de aruanda
No terreiro de Umbanda
Ele vem pra trabalhar
E olha o passo na gira que o nego dá
E olha o jeito desse nego trabalhar
E olha o passo na gira que o nego dá
E esse nego já foi dono de congá
Lá nas matas tem as folhas da Jurema > bis


A lua lá no céu surgiu
E clareou os caminhos de Umbanda
Aqui na terra filho de pemba
É guerreiro
Preto Velho surgiu
Como é linda a sua banda  - bis
A estrela lá no céu brilhou
E clareou os caminhos de Umbanda
E lá na terra filho de pemba pediu
Preto Velho ouviu
Com é linda a nossa Umbanda  -  bis


Ai meu tempo faz tanto tempo
Meu tempo que não volta mais
Quando negros de Aruanda
Cantavam todos iguais -  bis
Nós somos feitos da castanha da aruanda
Da proteção de Iemanjá
Aruanda eh eh eh
Aruanda ah ah ah - bis
Preto Velho ficava sentado
No batique do velho portão
Preto Velho com sua viola
Preto Velho com seu violão - bis

Na festa da Conceição
Todo mundo pedia implorava
O menino pegava a viola
Preto Velho então cantarolava - bis
Aruanda eh eh eh
Aruanda ah ah ah - bis


Quenguelê, Quenguelê, Xangô
Ele é filho da cobra coral - bis
Olha o preto está trabalhando
E o branco está só olhando...


Eu cheguei no terreiro
Risquei o meu ponto
Quem é o primeiro?
Eu cheguei no terreiro
Risquei minha pemba
Quem é o primeiro?
O primeiro é aquele
Que está lá no canto
Com cara de pranto
Qué falar com o homem -  bis
Venha cá mizi fio
Jogaram feitiço em suncê
Agora vá lá na encruza
Acenda uma vela com fita amarela
Farofa e dendê, que eu vai te proteger
Que eu vai te proteger
Eu vai te proteger, mas peça maleime
Meu filho de fé
Confia em mim, eu sou Embaé  -  bis


Tira o cipó do caminho, oi criança
Deixa o vovô atravessar
Tira o cipó do caminho, oi criança
Deixa o vovô atravessar
Eles vem chegando
São os preto velhos que vem trabalhar
Eles vem chegando
São os preto velhos que vem trabalhar

O Preto Velho
No tempo do cativeiro
Trabalhava o dia inteiro
Na senzala a matuscar
Uma maneira de domingo
Ir no terreiro
Com arruda e guiné
Saravá seu Orixá
Hoje o preto
Quando desce no terreiro
Vem saravando os seus filhos
Com licença de Oxalá
Vem ensinando humildade e caridade
E a todos que tem fé
Um jeito de se salvar
Ajuda eu Preto velho
Ajuda eu a rezar
Ajuda eu atabaque
Ajuda eu a girar



QUANDO O GALO CANTA
EM LOUVOR À MARIA
AS SANTAS ALMAS REZAM
UMA AVE MARIA
AVE MARIA
CHEIA DE GRAÇAS
O SENHOR É CONVOSCO
BENDITA SOIS VÓS
ENTRE AS MULHERES
BENDITO É O FRUTO
DO VOSSO VENTRE
QUE NASCEU JESUS!




O MEU PAI PRETO QUE VEM DE ANGOLA
VEM VER SEUS FILHOS QUE TANTO CHORA
PAI PRETO VEM LÁ DE ANGOLA
VEM DAS BANDAS DA GUINÉ
TRAZENDO SUA FALANGE
PRA REZAR FILHOS DE FÉ!


Ainda bem que era dia
Papai mandou chamar
Firma a cabeça meus filhos
Que tem preto pra chegar


PRETO VELHO TEM MUITA MIRONGA
XANGÔ NAS PEDREIRAS MANDOU LHE CHAMAR
QUERO VER PRETO VELHO GIRAR
SEM SEU CAVALO BALANCEAR


QUE NAVIO É AQUELE QUE VEM LÁ DO MAR
O NAVIO É DOS PRETOS QUE VEM TRABALHAR
EM ALTO MAR O NAVIO BALANÇEOU
SALVE TODOS OS PRETOS VELHOS
QUE NO REINO JA CHEGOU!


PRETO CHEGOU NO REINO
OLHA PRETO JÁ CHEGOU!
PRETO É FILHO DE PEMBA
NOSSO SENHOR É QUEM MANDOU!
GUINÉ, GUINÉ, A SUA FOLHA CHEIRA!
GUINÉ, GUINÉ A SUA RAIZ TONTEIA!
EU PLANTEI PÉ DE GUINÉ PARA ME DESCARREGAR
COM A FORÇA DE PRETO-VELHO E A BENÇÃO DE OXALÁ!


NO DIA 13 DE MAIO
TAVA TOCANDO TAMBOR...
O NEGRO TAVA SENTADO ...
CHAPÉU DE COURO CHEGOU...
BRANCO AQUI NÃO ENTRA
SE ENTRAR PAU VAI COMER...
AI NO TEMPO QUE EU TINHA SINHÁ...
COMO SENHOR ME BATIA...
EU GRITAVA POR NOSSA SENHORA...
AI...COMO A CHIBATA DOÍA!


NAVIO NEGREIRO VEM BEIRANDO O MAR...
NAVIO NEGREIRO VEM BEIRANDO O MAR...
VEM TRAZENDO OS PRETOS VELHOS PARA TRABALHAR!
VEM TRAZENDO OS PRETOS VELHOS PARA SARAVÁ!




NA LINHA DE UMBANDA TEM DENDÊ
TEM FORÇA DIVINA DE ORIXÁ!
NA LINHA DE UMBANDA EU QUERO VER
ESSE FILHO DE PEMBA BALANÇAR!
BALANÇA FILHO NA FORÇA DESSE CONGÁ (2X)
QUERO VER VOVÓ DESCER, QUERO VER VOVÔ CHEGAR!




EU VI NO CÉU UMA ESTRELA QUE BRILHA
E NAS PEDREIRAS UMA PEDRA ROLAR
OS PRETOS VELHOS CHORANDO NA ESTRADA
QUANDO A SEREIA COMEÇOU CANTAROLAR...
E NO SEU CANTO ELA SEMPRE DIZIA:
QUE SÓ QUERIA TER ASAS PRA VOAR
PRA IR AO CÉU BUSCAR A ESTRELA QUE BRILHA
P'ROS PRETOS VELHOS ENFEITAR NOSSO CONGÁ!


ESTAVA NA BEIRA DA PRAIA
LÁ NO CÉU DEU UM CLARÃO
A ORDEM ERA DE ARUANDA
LIVRANDO PRETO DA ESCRAVIDÃO!
FOI DE OXALÁ A ORDEM SUPREMA!
MÃE YEMANJÁ QUEM MANDOU!
MEU PAI XANGÔ ESCREVEU LÁ NA PEDREIRA!
PAI OGUM CUMPRIU A ORDEM
PAI OXÓSSI CONFIRMOU!
HOJE EU TENHO ALEGRIA! (3X)
PRETO VELHO HOJE É SINHÔ!




NO CRUZEIRO DAS SANTAS ALMAS
EU VI UM VELHINHO REZAR!
NA MÃO TRAZIA SUA BENGALA DE GUINÉ
NA OUTRA MÃO TRAZIA SEU PATUÁ!


LÁ NO CRUZEIRO
TEM FITA PRETA E AMARELA
QUEM NÃO ACREDITA NAS ALMAS
EU ACHO BOM NÃO MEXER NELAS!


LOUVORES DE PRETO VELHO


Olelê meu Deus do céu que alegria
O Preto Velho não carrega soberbia
Meu Deus do céu isto aqui eu preferia
A Estrela D’Alva no ponto do meio-dia
Eu vou plantar neste quintal pé de pinheiro
Para mostrar como se quebra macumbeiro bis
Olelê meu Deus do céu que alegria
O Preto Velho não carrega soberbia
Meu Deus do céu isto aqui eu preferia
A Estrela D’Alva no ponto do meio-dia
Galo penacho bota macho na campana
Neste terreiro galo velho não apanha bis




Chora meu cativeiro
Meu cativeiro, meu cativerá
Ora, chora bis
Preto Velho que veio da Costa
Que veio do Congo, Luanda e Guiné
Preto Velho de Nossa Senhora
Vem no terreiro olhar filhos de fé
Chora meu cativeiro
Meu Cativeiro, meu cativerá
Ora, chora bis
Preto Velho que gira na de Angola
Que gira no de Gejo, Bantú e Nagô
Preto Velho de Nossa Senhora
Filho de Zambi, ele é meu protetor
Chora meu cativeiro
Meu cativeiro, meu cativerá>
Ora, chora bis
Preto Velho aqui na terra trabalhou
Tanto trabalhou, até que um dia lá na aruanda
Nossa Senhora o abençoou
Chora meu cativeiro
Meu cativeiro, meu cativerá
Ora,. chora bis
No tempo da escravidão
Preto Velho sempre trabalhou
Sentado na sua senzala
Batia tambor, saravá pai Xangô
Chora meu cativeiro, meu cativeiro
Meu cativerá bis




Tizorere,orere, orara bis
Os Pretos Velhos
Quando vem pra trabalhar
Vem trazendo a sua gente
Para todo mal levar
Ago, ago, vem sarava
Filhos de Umbanda
Ago, ago vem sarava
Neste congá
Saravá eles
Como chefes de terreiro
Saravá eles
Com todos seus companheiros




Eiê, eiê, eiê, eiê, eiê
Oi, eiê, eiê, eiê, eiá
O jongo é bom de lascar
no terreiro de dona Sinhá -  bis
Preto Velho baixa na terra
Faz coisas de admirar
Planta um pé de banana
Na mesma hora ela dá
O tronco solta o cacho
Se vê amadurecer
Preto Velho tira a banana
E dá pra todos comer
Isto que quero ver
Pai de Santo que saiba fazer bis




Ô meu São Benedito
Na coroa de Zambi tem congá bis
Seu carreteiro toca o carro devagar
Que senão o carro vira
E o carreteiro passa mal
Sou Preto Velho e não gosto de lambança
Curo moço, curo velho
E também curo criança bis


É preto, é preto
É do meu congá
É preto, é preto
Ora vamos saravá
 Kió viva a Angola
Viva a Angola é  -  bis
Preto Velho está na Angola
Oi viva a Angola é
Pai Thomé está na Angola
Oi viva a Angola é
Kió viva a Angola
Viva a Angola é   -  bis
Pai Joaquim está na Angola
Oi viva a Angola é
Pai João está na Angola
Oi viva a Angola é
Kió viva a Angola
Viva a Angola é  - bis

São Benedito
Tem pena dele Benedito
Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô São Benedito, tenha dó - bis 3 vezes

Tem pena dele Nanã
Tenha dó
Ele é filho de Zambi
Ô Nanã Tenha dó


QUEM VEM, QUEM VEM CHEGANDO?
SÃO OS VELHINHOS TRABALHANDO!
Ó DAI-ME FORÇAS PROS TRABALHOS MEUS, MEU PAI!
Ó DAI-ME FORÇAS PRA AJUDAR MEUS FILHOS, MEU PAI!




MEXE NA CUMBUCA
REPENICA NO GONGÁ!
CHAMA NOSSO POVO
E VAMOS TRABALHAR!


PRETOS VELHOS QUANDO VÊM
VÊM BEIRANDO A BEIRA-MAR!
BOTA A CANGA NO SERENO
E DEIXE A CANGA SERENAR!


ABRE A ENGIRA
RISCA PONTO
ACENDE A VELA
CACHIMBO PITÔ
CANTA CURIMBA:
PRETO VELHO CHEGÔ!
CHAMA FILHO
QUE COMEÇA A PEDIR
PRETO VELHO ESCUTA
TRISTE HISTÓRIA DE DÔ
CANTA CURIMBA:
PRETO VELHO CHEGÔ!
PITA CACHIMBO
SEGURA PEMBA
SEU DOTÔ
CANTA CURIMBA:
PRETO VELHO CHEGOU!
PITANDO CACHIMBO
ENXUGA LÁGRIMAS
SUAVIZA A DÔ
CANTA CURIMBA:
PRETO VELHO CHEGOU!


PRETO VELHO BATIA ZABUMBA
PRETO VELHO BATIA TAMBOR!
PRETO VELHO RISCAVA SEU PONTO
BATIA CABEÇA PRA MEU PAI XANGÔ!


SEU DOUTORZINHO
QUER QUE CHAME DE DOUTOR!
É DESAFORO
CATIVEIRO JÁ ACABOU!
BRANCO SABE LER
BRANCO SABE ESCREVER
MAS NÃO SABE DIA EM QUE MORRE
O PRETO É QUEM VAI DIZER!


ACORDA! ACORDA!
QUEM ESTÁ DORMINDO, ACORDA!
ESTÁS DORMINDO NA PORTA DESTE GONGÁ!
QUEM TEM INIMIGO NÃO DORME...
ACORDA PRA CORIMÁ!
VEM FIRMAR PONTO PRA OGUM E OXALÁ!
ESTÁS DORMINDO EM VEZ DE TRABALHAR!
QUEM TEM INIMIGO NÃO DORME...
ACORDA PRA VIGIAR!

Você está vendo
Esse terreiro pequeno
Aonde preto-velho veio morar?
Aqui existe paz e harmonia
Aqui quem manda é Oxalá

Nessa casa tem quatro cantos
Cada canto tem um santo
Pai e filho, Espirito Santo
Nessa casa tem 4 cantos
Zum zum zum
Olha só Jesus quem é
Eu rezo para santas almas
Inimigo cai
Eu fico de pé

O preto por ser preto
Não merece ingratidão
O preto fica branco
Na outra encarnação
No tempo da escravidão
Como o senhor me batia
Eu chamava por Nossa Senhora, Meu Deus!
Como as pancadas doíam

Carpiste Angola
Eu to carpinando e tá crescendo
Olha que
Tô carpinando e tá crescendo
Tô carpinando e tá crescendo

O Povo de Cambina
oi quando vem pra trabalhar
O Povo de Cambina
oi quando vem pra trabalhar
Todo o povo vem por terra
Campinar vem pelo mar
Todo o povo vem por terra
Campinar vem pelo mar

Preto, campina
Que falai Nagô
É preto das costas finas
Filho de babalaô  -bis
É na macumba, êe
É na macumba, a -bis

Preto Velho, batia zabumba
Preto Velho, batia Tambor
Preto Velho, riscava seu ponto,
batia a cabeça pra meu pai Xangô  -bis

Ooo quem me chama?
É da mesa de Umbanda!
Ooo quem me chama?
É da mesa de Umbanda!
Guena Guena Oriá Oxé
Guena Guena Oriá Oxé
Olha que ela vem de Angola ô marabô!
Olha que ela chegou agora!

Casa de Velho na Roça é cidade!
É milongueiro o cidade!
Casa de Velho na Roça é cidade!
É milongueiro o cidade!
Cidade de Preto-Velho é Cidade!
É milongueiro o cidade!

La no mato tem folha,
tem rozário de Nossa Senhora!  bis
E aruera de São Benedito...
São Benedito que nos valha nessa hora! bis

Aí vem vovó
Descendo a ladeira
Com sua sacola
Com seu rosário e seu patuá,
Ela vem de Angola
Eu quero ver vovó
Eu quero ver
Se este filho de pemba tem querer...

Vovó tem sete saias
Na última saia tem mironga
Vovó veio de Angola
Pra salvar filhos de Umbanda
Com seu patuá, figa de guiné
Vovó veio de Angola
Pra salvar filhos de fé

Oh preta velha
Você não me engana
Amarra a saia
Com palha de cana
E o cigarro que ela fuma
É de palha de Aruanda - bis

Tudo que peço à vovó ela faz
Também o que peço a vovô ele faz
O que quero mais
O que quero mais

Flor de Laranja Vovó pegou
Trouxe pro terreiro cuscuz e marafo
Cuscuz e marafo ela entregou
Na encruzilhada ela saravou
Saravou, Saravou...

Vovó viveu
No tempo da escravidão
Corria o milharal
Com a enxada na mão
Benzia, fazia mironga
Ajudava seus irmãos
E um dia lá no céu
Jesus lhe deu a redenção

A nega mandou fazer macumba
Pra me tirar da favela
O meu santo é muito forte
E quem vai sair é ela bis
O meu santo é muito forte
E quem vai sair é ela

Ai vem, vem, vem
As vovós de Aruanda
Elas vem goivando
Na lei de Umbanda - bis

Navio negreiro no meio do mar bis
Correntes pesadas na areia a arrastar
E a negra escrava tristonha a chorar
Saravá nossa Mãe Iemanjá
Saravá nosso Pai Oxalá

No Cruzeiro das Almas
Lá no cruzeiro das almas,
aonde as almas vão rezar.
Lá no cruzeiro das almas,
aonde as almas vão rezar.
As almas choram de alegria,
quando os filhos se combinam,
também choram de tristeza,
quando não querem combinar
As almas choram de alegria,
quando os filhos se combinam,
também choram de tristeza,
quando não querem combinar


A fumaça do cachimbo do(a) Vovô(ó)
sobe no ar só não vê quem não quer
A fumaça do cachimbo do(a) Vovô(ó)
sobe no ar só não vê quem não quer
É pro isso que eu digo que é
Mironga de velho é debaixo do pé
É pro isso que eu digo que é
Mironga de velho é debaixo do pé

As almas dão
As almas tem,
as almas dão.
As almas tem,
as almas dão.
As almas dão
para quem sabe aproveitar.
Nos ajude santas almas,
com a fé de Pai Oxalá

Vovô(ó) tira sua fumaça
debaixo da bananeira
Vovô(ó) tira sua fumaça
debaixo da bananeira
Auê, auê, auê, auê debaixo da bananeira
Auê, auê, auê, auê debaixo da bananeira

Eu andava perambulando,
sem ter nada p'ra comer
Fui pedir as Santas Almas
Para vir me socorrer
Foi as Almas que me ajudou
Foi as almas que me ajudou
Meu Divino Espírito Santo
Glória Deus, Nosso Senhor

Preto velho senta no toco
Faz o sinal da cruz
Pede proteção a Zambi
Para os filhos de Jesus
Cada conta do seu rosário
É um filho que ai está
Se não fosse o Preto Velho
Eu não sabia caminhar


Firma ponto minha gente
Preto velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem pra trabalhar
Saravá o Preto Velho
Saravá, saravá, saravá,
Ele chegou no terreiro
Ele vem nos ajudar


Preto Velho que coisa é essa
Que me deixa o corpo mole -  bis
É mironga de Terreiro
Preto Velho vai tirar
Vai fazer reza bem forte
Pra mandinga afastar
Preto Velho que coisa é essa
Que me deixa com o corpo mole -  bis
Parece que é coisa feita
Preto Velho vai tirar
Mas não fique assustado
Deste mal vou lhe livrar
E depois você vai embora
Vai pra casa descansar
E depois que passar o tempo
Volte aqui me visitar

Preto Velho tá quebrado
De tanto trabalhar
Preto Velho tá cansado
De tanto curimbar  _ bis
Firma ponto, risca pemba
Que é longa a caminhada
Quem tem fé, tem tudo
Quem não tem fé, não tem nada - bis

No tempo da escravidão
Preto Velho sempre trabalhou
Sentado na sua senzala
Batia tambor, saravá pai Xangô
Bate tambor
lá na Angola, bate tambor
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai Thomé ...
lá na Angola, bate tambor ...
Bate tambor, Pai joaquim...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai João ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai Jacó do Oriente ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Mãe Maria ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor, Pai Antônio do Congo ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Mãe Joana ...
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Vó Catarina
lá na Angola, bate tambor...
Bate tambor Preta Velha ...
lá na Angola, bate tambor...
(+ assim sucessivamente vai se saudando
a todos os Pretos que estão no terreiro)

Meu pito tá apagado
Minha marafa acabou
Vou trabalhar pra suncê
Porque sou trabalhadô bis
Eu vou trabalhar
Suncê vai ganhar
Muito bongo, meu filho
E depois vem me pagar -  bis

Deixei meu cachimbo no toco
Mandei o moleque buscar
Na hora da derrubada
Meu cachimbo ficou lá

Zum, zum, bateu na porta
Saravá vou ver quem é
É o povo da aruanda
É a falange de Guiné


Na fazenda de Santa Cruz
Nego duro de se acordar
Não trabalha porque não quer
Tem cavalo pra arriar
Não vou plantar café de meia
Eu vou plantar canavial
Café de meia não dá lucro Sinhá
Canavial, marafo dá
Amarra o boi, Preto Velho
Na porteira do congá bis


É preto, é preto, oi Cambinda
Na terra de preto, oi Cambinda
Eu também sou preto, oi Cambinda
Na terra de preto, oi Cambinda
Preto Velho quando vem da Aruanda
Vem com Deus e a Virgem Maria
Saravá o povo de Aruanda
Saravá o povo da Bahia - bis


SE EU NÃO FOSSE FILHO DE PEMBA
SÃO CIPRIANO NÃO VINHA CÁ!
ARUÊ ARUÉ SÃO CIPRIANO MANDOU ME CHAMAR!
ARUÊ ARUÁ FILHO DE PEMBA NÃO PODE TOMBAR


E esse nego que veio de aruanda
No terreiro de Umbanda
Ele vem pra trabalhar
E olha o passo na gira que o nego dá
E olha o jeito desse nego trabalhar
E olha o passo na gira que o nego dá
E esse nego já foi dono de congá
Lá nas matas tem as folhas da Jurema > bis




Ainda bem que era dia
Papai mandou chamar
Firma a cabeça meus filhos
Que tem preto pra chegar




NAVIO NEGREIRO VEM BEIRANDO O MAR...
NAVIO NEGREIRO VEM BEIRANDO O MAR...
VEM TRAZENDO OS PRETOS VELHOS PARA TRABALHAR!
VEM TRAZENDO OS PRETOS VELHOS PARA SARAVÁ!




NA LINHA DE UMBANDA TEM DENDÊ
TEM FORÇA DIVINA DE ORIXÁ!
NA LINHA DE UMBANDA EU QUERO VER
ESSE FILHO DE PEMBA BALANÇAR!
BALANÇA FILHO NA FORÇA DESSE CONGÁ (2X)
QUERO VER VOVÓ DESCER, QUERO VER VOVÔ CHEGAR!

EU VI NO CÉU UMA ESTRELA QUE BRILHA
E NAS PEDREIRAS UMA PEDRA ROLAR
OS PRETOS VELHOS CHORANDO NA ESTRADA
QUANDO A SEREIA COMEÇOU CANTAROLAR...
E NO SEU CANTO ELA SEMPRE DIZIA:
QUE SÓ QUERIA TER ASAS PRA VOAR
PRA IR AO CÉU BUSCAR A ESTRELA QUE BRILHA
P'ROS PRETOS VELHOS ENFEITAR NOSSO CONGÁ!


ESTAVA NA BEIRA DA PRAIA
LÁ NO CÉU DEU UM CLARÃO
A ORDEM ERA DE ARUANDA
LIVRANDO PRETO DA ESCRAVIDÃO!
FOI DE OXALÁ A ORDEM SUPREMA!
MÃE YEMANJÁ QUEM MANDOU!
MEU PAI XANGÔ ESCREVEU LÁ NA PEDREIRA!
PAI OGUM CUMPRIU A ORDEM
PAI OXÓSSI CONFIRMOU!
HOJE EU TENHO ALEGRIA! (3X)
PRETO VELHO HOJE É SINHÔ!

NO CRUZEIRO DAS SANTAS ALMAS
EU VI UM VELHINHO REZAR!
NA MÃO TRAZIA SUA BENGALA DE GUINÉ
NA OUTRA MÃO TRAZIA SEU PATUÁ!


LÁ NO CRUZEIRO
TEM FITA PRETA E AMARELA
QUEM NÃO ACREDITA NAS ALMAS
EU ACHO BOM NÃO MEXER NELAS!


PRETOS VELHOS NA SENZALA
PADECEU, PADECEU!
PRETO VELHO NÃO CHORAVA
SÓ DIZIA: AI MEU DEUS!
AI MEU DEUS, AI MEU DEUS! (2X)


OLHA LÁ MEU IRMÃO
AS ALMAS NÃO ENGANAM NINGUÉM!
OLHA LÁ MEU IRMÃO
ADOREI AS MINHAS ALMAS!
OLHA LÁ MEU IRMÃO
AS ALMAS VÊM TRABALHAR!
OLHA LÁ MEU IRMÃO
VÊM NA FÉ DE OXALÁ!

Ó SANTAS ALMAS
DO ROSÁRIO DE MARIA
AJUDE A ESSE FILHO
A CAMINHAR PELOS SEUS DIAS!

MACUMBA NAS ALMAS AMANHECE O DIA!
Ó AMANHECE O DIA!
TENHO FÉ NAS ALMAS E NA VIRGEM MARIA!
Ó NA VIRGEM MARIA!


BUM BUM BUM!
BATERAM NA PORTA DO CÉU!
BUM BUM BUM!
SÃO PEDRO ABRIU PRA VER QUEM É!
MAS ERAM AS ALMAS, SANTAS BENDITAS
QUE SE PESAVAM NA BALANÇA DE SÃO MIGUEL!


ELE É PRETO VELHO
É SIM SENHOR!
NA LEI DE UMBANDA
ELE É DOUTOR!


MAS COMO É LINDO A GENTE VER
PAU SECO FLORAR
MAS COMO É LINDO A GENTE VER
OS PRETOS VELHOS TRABALHAR
OLÊ OLÊ... OLÊ OLÁ
OLÊ OLÊ MEU SANTO ANTÔNIO!
TODO SANTO TEM COROA
COROA O SANTO TEM!
TODO SANTO TEM COROA
COROA O SANTO TEM!

ELE É PRETO VELHO
E ANDA TODO DE BANDA!
NO CACHIMBO DELE
É QUE TEM MIRONGA!


ARREIA PEDRO COM SUA FALANGE!
NOSSA SENHORA!
CARREGANDO SUA BANDEIRA!

O CACHIMBO É DA VOVÓ
VAMOS SARAVÁ NO GONGÁ!
AUÊ AUÊ AUÁ!
OH, VAMOS SARAVÁ NO GONGÁ!

CHEGA VOVÓ, CHEGA VOVÓ
CHEGA VOVÓ É DE GANGA MAIOR!
SÓ TEM SAIA, SÓ TEM SAIA
SÓ TEM SAIA E NÃO TEM PALETÓ!

NA LINHA DE PRETOS-VELHOS
NINGUÉM PODE ATRAVESSAR!
OI SEGURA A PEMBA Ê Ê!
OI SEGURA A PEMBA Ê Á!
OI SEGURA A PEMBA Ê Ê!
OI SEGURA A PEMBA NO GONGÁ!

EU ESTAVA NO TERREIRO
VENDO OS PRETOS-VELHOS TRABALHAR!
CADA VOLTA QUE ELES DAVAM
ELES CRUZAVAM MEU CONGÁ!

ELE VEM DE LONGE...
SEM CONHECER NINGUÉM!
VEIO COLHER AS ROSAS...
QUE NA ROSEIRA TÊM!

TODO MUNDO GOSTA
DA FRUTA DO INGÁ!
CHEGOU O POVO DA COSTA
QUE VEIO SARAVÁ!




Subida de Pretos -Velhos


Preto(a) Velho(a) vai ao ló
Mas não deixa os filhos só - bis
Ele(a) vai pra Aruanda
Junto com Zambi menor - bis

A sineta do céu bateu
Oxalá já diz
É hora - bis
Eu vou, eu vou, eu vou
Fiquem com Deus e
Com Nossa Senhora  - bis

E vai Preto(a) Velho(a)
Subindo pro céu
E Nossa Senhora
Cobrindo com véu

A estrela brilha no céu
Clareia a Umbanda
Está na hora, o galo cantou
Adeus meus filhos
Preto(a) Velho(a) vai embora
Fiquem com Deus
E Nossa Senhora




antes da última entidade subir)
Preto já vai,
já vai pra Aruanda.
Preto já vai,
já vai pra Aruanda.
A bença meu Pai
proteção pra nossa banda
A bença Pai
proteção pra nossa banda
(após a a última entidade subir)
Preto já foi,
já vai pra Aruanda.
Preto já foi,
já vai pra Aruanda.
A bença meu Pai
proteção pra nossa banda
A bença meu Pai
proteção pra nossa banda.


Adeus filhos de fé
se precisar me chama
Adeus filhos de fé
se precisar me chama
Zambi me trouxe
Zambi vai me levar
Zambi me trouxe
Zambi vai me levar
Agradeço a toalha rendada
que ficou no altar
Agradeço a toalha rendada
que ficou no altar


Conheci um preto velho
Seu nome era Kaô
Foi fazer um casamento
Com a filha de Xangô

JÁ VAI, JÁ VAI PRETOS-VELHOS, JÁ VAI!
JÁ VAI, JÁ VAI, VAI NAS HORAS DE DEUS!

JÁ VAI PRETOS-VELHOS SUBINDO PRO CÉU!
NOSSA SENHORA OS CUBRA COM VÉU!

PRETO VELHO VAI SE EMBORA
A SAUDADE NO MEU PEITO VAI FICAR.
ELE VAI PRA SUA ARUANDA
SARAVÁ FILHOS DE UMBANDA
QUEM CHAMOU FOI OXALÁ!
ELE VAI PRA SUA ARUANDA
SARAVÁ FILHOS DE UMBANDA
QUEM CHAMOU FOI OXALÁ!

QUE NOSSA SENHORA
TE CUBRA COM O VÉU!
QUE SÃO PEDRO TE ABRA
AS PORTAS DO CÉU!

LÁ NA ARUANDA
ONDE CANTA O JURITI
PRETOS VELHOS VÃO EMBORA
DEIXAM SEUS CAVALOS AQUI!

CHUVA VEM
CADÊ SUA CHAPÉU?
A ESTRADA É LONGA
E ELES VÃO DEVAGARINHO!


O galo vai cantar
Quando chegar a hora
Pai Maneco pra aruanda
Vai de volta na aurora
Ele vai deixar
Muito amor, muita alegria
Vai pra junto de Iemanjá
E da Virgem Maria


ELES VIVEM NO MEIO DAS FLORES
OLHANDO O CÉU, BEIRANDO O MAR!
ELES SÃO OS PRETOS VELHOS DE UMBANDA
QUE VÃO PRA ARUANDA PARA TRABALHAR!



PRETOS VELHOS VÃO EMBORA
VÃO NA FÉ DE OXALÁ!
QUEM FIRMAR SEU PENSAMENTO
TODO MAL ELES VÃO LEVAR!

OH, MEU SANTO ANTONIO
É DE OURO FINO
ARREIA A BANDEIRA
E VAMOS ENCERRAR!

TIA MARIA VAI GIRAR
VAI GIRAR PARA A SUA BANDA!
ELA VAI PEDIR A ZAMBI

PROTEÇÃO PROS FILHOS DESTA TERRA!

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Soui iniciado e tenho orgulho de ser o Makamba, pelo Ilustre Zelador de Santo, Professor Agenor Miranda Rocha, o Pai Agenor, (Luanda, Angola, 8 de setembro de 1907 — Rio de Janeiro, 17 de julho de 2004), sendo iniciado em Oxalá, Olufã Oremi Imolé, tendo ainda recebido um nome no culto de Angola, por respeito ao Chão que fui feito ( Casa de Pai João de Angola - Penha - São Paulo - sendo que esta Casa foi extinta com a morte de sua Yalorixa, feita em Angola, mas que cedeu ao meu Zelador seu Chão com muita dedicação e por caridade, nada tendo cobrado e nem favor algum recebido) por respeito a este Chão Sagrado meu Zelador deu-me a Djina de Makamba Malaiá, fato este ocorrido em 13 junho de 1972, sendo levantado na festa de São João , cumpri meus 10 dias deitados e 40 de recolhimento, tendo inteirado os 90 dias de preceito . Sou extremamente grato a Vida, porque tenho tudo. Obrigado Deus, Obrigado Vida, Obrigado a Todos, filhos, amigos e amigos, pois neste mundo de Meu Deus, nada existe que não seja meu Amigo.... Muito Obrigado